facebooktwitter2FlickrYouTube

Português (Brasil)English (United Kingdom)Español(Spanish Formal International)
Videodanças em destaque

Uma programação especial de sete obras tem exibição gratuita quinta-feira, dia 3, às 19h, em Belo Horizonte, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna

cinemateca noticias_okSete videodanças – do Brasil, Canadá, Portugal e Espanha – integram a programação especial da Cinemateca do VIVADANÇA, elaborada para uma sessão única em Belo Horizonte. A mostra acontece dia 3 de maio (quinta-feira), às 19h, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna, com entrada franca. Com temáticas diversas, as obras formam um pequeno panorama das linguagens aplicadas à criação em videodança.

A Cinemateca é uma ação do festival, que promove a exibição de filmes de dança, com ficções ou documentários. Para essa primeira edição na capital mineira, a curadoria – composta por Cristina Castro e Luiz Antônio Jr. – selecionou obras de ficção representativas e premiadas, de autores e companhias que buscam no audiovisual uma forma de diálogo com os discursos corporais. Os vídeos variam de seis a 15 minutos. A seguir, a lista das obras.

Por um Momento Perdido (Alex Soares - SP) - Explora a solidão cada vez mais presente nos centros urbanos, inclusive a chamada "solidão acompanhada". Com este trabalho, o autor Alex Soares conquistou o prêmio de melhor vídeo do Festival do Minuto 2010.

Nous Etionsfaits pous Être Libres (Hervé Le Goff - Canadá) - Mostra um trio de cielo, piano e sapateado, com coreografia de Hervé Le Goff. Ele é um dos fundadores da Charnière, companhia de sapateado, dança e teatro.

Los Mundos Lisérgicos (Losdedae - Espanha) – Aborda a loucura a partir de um paciente chamado Diego que, em sua cela, pinta e cola coisas pelas paredes, construindo mundos imaginários e ilusórios para neles habitar.

Sin Tránsito - Rampa (Losdedae - Espanha) - Parte da ideia de não-lugar para refletir sobre o espaço, a arquitetura e sua relação com o indivíduo.

Onze da Manhã (Cecília Gómez e José Pedro Graça - Portugal) - Mostra improvisações relacionadas a luz no espaço (manhã), o espaço e o "despertar" da cidade no horário do título.

Perishable (Alex Soares - SP) - Foi criado a convite da Noord Nederlandse Dans, companhia de dança sediada em Groningen, norte da Holanda. Perishable, ou perecível, em português, trata da questão de que tudo está em constante desmantelamento, ou sujeito a ele em qualquer momento.

Retina (Margaridas Dança - DF) – Procura estabelecer uma analogia entre o olhar e a intimidade. Retina foi feito na cidade de Brasília, no passeio público que corta todas as quadras quatrocentos da Asa Norte.