facebooktwitter2FlickrYouTube

Português (Brasil)English (United Kingdom)Español(Spanish Formal International)
A despedida dos solistas

O programa Solos Stuttgart de 2012 realiza em Brasília sua última apresentação no festival, no Teatro Funarte Plínio Marcos, sexta-feira, dia 4 de maio, às 21h

solos noticias_bsb_okÚnica atração internacional a passar pelas três cidades onde acontece o VIVADANÇA Festival Internacional, o programa Solos Stuttgart de 2012 se despede da temporada brasileira. Sua última apresentação acontece em Brasilia, no Teatro Funarte Plínio Marcos, dia 4 de maio, sexta-feira, às 21h, com ingressos a R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). Os solistas de cinco países foram um dos destaques da programação do festival em Salvador e abriram a mostra de Belo Horizonte. No Distrito Federal, eles dão início à programação adulta do VIVADANÇA, que se prolonga até domingo. 

Pelo segundo ano consecutivo, o festival traz a Salvador os vencedores e finalistas do Internationales Solo-Tanz-Theatre Festival, concurso anual de solos que reúne em Stuttgart, na Alemanha, jovens bailarinos e coreógrafos de diversas partes do mundo. Artistas da Polônia, Itália, Rússia, México e do país africano Burkina Faso apresentam seus solos, marcados pela busca de novas formas de expressão e temas da atualidade, mas também de tradições culturais de seus países. 

A parceria entre o VIVADANÇA e o Internationales Solo-Tanz-Theatre Festival foi reafirmada com o convite feito a Cristina Castro, que foi à Alemanha em março para participar do corpo de jurados do concurso. 

Variedade de temas - Os solos passeiam por diferentes temáticas. When the Last Candle Is Blown Out, trabalho da polonesa Katarzyna Sitarz, aborda os sonhos como sendo "o outro lado do espelho", e as imagens e experiências evocadas por eles. Já a coreografia No Time to Fly Off, da italiana Valentina Moar, parte da seguinte questão: seria o mundo exterior ou interior que nos leva a queda? Na concentração do próprio corpo, a bailarina encontra a dimensão emocional na qual não há regras de movimento.

A bailarina franco-russa Loulia Plotnikova, se inspirou no universo feminino para criar o solo Doroga, que mostra as experiências e sentimentos da jornada de vida de uma mulher que, ao final, encontra o equilíbrio entre o seu próprio ser e o mundo. O bailarino mexicano Geovanni Perez, por sua vez, aborda a importância da liberdade na vida do ser humano. Em Susurros Raídos, Angulo de Fúria, o homem é reduzido à condição de animal a se ver engaiolado, e somente seus breves momentos de memórias o mantêm vivo.

O quinto e último solo é En Opposition avec Moi, do bailarino de Burkina Faso, Soura Ahmed, que trabalha com elementos da natureza, como a água que, ao misturar-se com a areia sob influência da luz, deixa marcas no deserto, transformando-se em movimento.

Sobre os Solistas - Todos os cinco são bailarinos profissionais, graduados em importantes escolas de dança, e já trabalharam em companhias e com coreógrafos internacionais.

  • Katarzyna Sitarz é bacharel pela Rotterdam Dance Academy, na Holanda, e já trabalhou com artistas como Rui Horta (Portugal) e Liat Magnezy (Israel/Holanda).
  • Valentina Moar é formada pela Paolo Grassi School of Drama, em Milão, e pela Accademia lsola Danza, na Itália. Ela trabalhou com coreógrafos como Josef Nadj, Susanne Linke, Vandekey Wim Vandekey e David Zambrano.
  • Loulia Plotnikova estudou na Universidade de Dança em St. Petersburg. Nos últimos anos, dançou com Do Theatre Russo, na Alemanha, e com a Companhia sueca Raand Vo na Lena Josefsson. Atualmente, dança para Donald McKayle.
  • Geovanni Perez é graduado pelo Centro Nacional de Danza Contemporânea. Em 2008, ganhou o primeiro Prêmio na dança no renomado Festival de Danza Certamen lnternacional Burgos, em Nova Iorque.
  • Soura Ahmed formou-se no Instituto Nacional de Artístico e Cultural (INAFAC), onde estudou danças africanas tradicionais e contemporânea. Também estudou no Centre Choreographique Nacional de Montpellier, na França. Desde 2007, dança na companhia de lrene Tassembedo, em Paris.
Fotos de João Milet Meirelles