facebooktwitter2FlickrYouTube

Português (Brasil)English (United Kingdom)Español(Spanish Formal International)
Minas com Bahia

O espetáculo 'Aroeira', com trilha de Milton Nascimento e coreografia de Cristina Castro, faz sua primeira apresentação em Belo Horizonte, 5 de maio, sábado, às 21h, no Teatro Oi Futuro Klauss Viana

Aroeira notcias_okO desejo do músico Milton Nascimento e da coreógrafa Cristina Castro, enfim, realiza-se. O espetáculo Aroeira – Com Quantos Nós se Faz um Árvore vai ser apresentado em Minas Gerais, terra natal do compositor, seis anos depois de sua estreia em Salvador e passagem por outras cidades brasileiras. "Sempre tivemos essa vontade, mas só agora a oportunidade apareceu. É uma expectativa e um prazer enorme trazer Aroeira para Belo Horizonte", diz Cristina Castro. A apresentação acontece sábado, dia 5 de maio, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna, às 21h, pelo VIVADANÇA Festival Internacional. Os ingressos custam R$ 10,00 (inteira) e R% 5,00 (meia).

A ideia do espetáculo é provocar a platéia e convidá-la a rearrumar a narrativa mentalmente, utilizando, inclusive, suas próprias lembranças. Concebida pela coreógrafa Cristina Castro para a Companhia Viladança, a montagem promove um mergulho num universo poético formado por imagens, luzes, cores, sombra, movimentos e sons, acionando a memória afetiva e sensações do público. Referências à filosofia e à literatura e projeção em vídeo de animações fazem desse espetáculo multilinguagem um passeio por diversos campos de conhecimento e experiências.

Aroeira foi desenvolvido em diálogo com a trilha sonora original composta por Milton Nascimento e ficou guardada por cerca de 15 anos – até que ele retirou da gaveta e entregou para a coreógrafa baiana. Em contraste com a delicadeza das imagens projetadas e da poesia de Milton, os movimentos são fortes e vigorosos, explorando os limites dos corpos. A estrutura do cenário representa uma caixa de memórias, que desloca o enquadramento do palco e propõe uma mudança de perspectiva, num questionamento da relação do ser humano contemporâneo com as imagens do seu cotidiano.

Fotos de Márcio Lima